Blog criado em 13 de junho de 2008

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010


8 comentários:

Anônimo disse...

Fiz três vezes o replay, para reabsorver tão belos e enigmáticos versos. Enigmáticos, mas não hoje, quando me sinto exatamente assim e
absorvo essas palavras como se eu as tivesse escrito ou pensado. Hoje estou no encalço de minha própria alma.
Ana Suzuki

ilze disse...

Recebi convite da Yvone Falkas para conhecer seu blog e não me fiz de rogada, corri aqui apreciar suas maravilhas. Parabens, tudo muito bonito, demonstrando seu talento e inspiração! Abraços. Ilze

Ilka Vieira disse...

Ah, minha querida GiGi, como é pleno amanhecer em ti, chego a reaprender a sorrir...
Lindo demais!
Beeeeijo
Ilka

TerePenhabe disse...

Parabéns Gilia, seu trabalho está impecável e as suas palavras entorpecem a alma de tão boas de serem lidas e absorvidas. Adorei o momento poético rico, indicado pela amiga Yvonne Falkas. Abraços & aplausossss... Tere

"Neyde Noronha" disse...

Gilia, lindo quando se sente algo assim tão melancólico na esperança, na plenitude de um viver encantado, envolvido por tantas emoções. Amei este video e tantos outros que vejo no seu Blog. Beijos da amiga, Neyde

Silvia Cohin disse...

O pensamento em volteios tem o dom de nos falar de seu desencanto mas logo em seguida, como num passe de mágica, abre uma janela para a luz que ele bem sabe, anoitece e... amanhece...!
Gilia querida, ler você é entrar em contato com essa luz que não teme a escuridão.
Obrigada pela partilha que para mim é um privilégio!
Abraço de paz.

Sylvia Cohin

Simone disse...

Gilia querida!
Lindos e tristes versos, "basta que eu consiga amanhecer em mim..."
Existem dias que são um tanto difíceis, mas não há nada como um dia depois do outro, a vida é bela, apesar e acima de tudo!
Um grande beijo em teu coração amigo.
Simone

Liane disse...

Gilia darling:

Magnifíco! Sabe, sonhei que a esperança pousava no teu jardim, bem de leve, às vezes, quase imperceptível, quase inatingível. Muitos ruídos atrapalham seu voo.sorte que os amigos ouvem o bater das asas da esperança por nós.
beijos, abraços,
Liane